Cansaço

Estudos afirmam ter descoberto que uma pessoa passa em média 24 anos de sua vida dormindo. Especialmente no frio do outono e inverno, muitas vezes nos sentimos cansados. Mas de onde vem esse cansaço e quais são as causas?

É bem sabido que os recém-nascidos precisam de muito mais sono do que os adultos - eles dormem até 16 horas por dia, então ficam cansados ​​permanentemente, por assim dizer. Para nós, adultos, normalmente 8 horas de sono por dia são suficientes, embora essas 8 horas sejam frequentemente insuficientes. O cansaço é um sinal do corpo para nos fazer entender que ele precisa de descanso e quer ser poupado.

O cansaço é uma consequência da falta de sono. Durante o sono, o corpo é finalmente colocado em uma espécie de estado de hibernação em que apenas os processos básicos acontecem: a atividade muscular, uma vez que precisamos para ficar em pé ou ver, não é necessária durante o sono. Esse estado ajuda o corpo a se regenerar e ganhar força para o dia seguinte.

O sono e a fadiga estão intimamente ligados a um hormônio da glândula pineal, ou “epífise”. A glândula pineal está localizada na parte posterior do cérebro e produz o hormônio melatonina. Porém, melatonina só é liberado no escuro, ou seja, quando estamos em quartos escuros, ou quando - como no outono - escurece mais rapidamente.

O corpo sabe que um alto melatonina liberação significa que a noite cai, o cansaço se instala e você adormece. Por volta das 3 da manhã o nível de melatonina finalmente atinge seu máximo, nas primeiras horas da manhã a concentração diminui novamente. Não é de admirar que nos cansemos mais rapidamente nos meses escuros de inverno!

Mas também os trabalhadores do turno e os passageiros frequentes (palavra-chave: jet lag!) Têm de lutar contra a melatonina. Afinal, o corpo deliberadamente se comporta de forma totalmente assíncrona em relação à liberação normal de melatonina. Além da melatonina, que é principalmente responsável pela fadiga e pelo sono, existem várias outras causas que podem ser responsáveis ​​pela fadiga excessiva.